Receba nossa news

  •  
  •  
Você está aqui: Home Suplementos Especiais Genéricos Genéricos 2016 Expectativas e projeções

Genéricos 2016

Expectativas e projeções

panorama 16Laboratórios fabricantes de genéricos estão com a margem cada vez mais enxuta, em virtude da alta do dólar e disparada do preço da energia elétrica. Ao mesmo tempo, esperam turbinar as vendas diante da crise que vem apertando o orçamento do consumidor

O momento vivido atualmente pelo mercado brasileiro de genéricos pode ser considerado contraditório. Ao mesmo tempo que a Associação Brasileira das Indústrias de Medicamentos Genéricos (PróGenéricos) anunciou que a categoria teve um desempenho acima da média do mercado farmacêutico, os números apontam o pior índice de crescimento nos últimos três anos. 

Em 2015, as vendas de genéricos somaram R$ 5,9 bilhões – alta de 11,75% frente a 2014. Embora se trate de um montante expressivo, entre 2013 e 2014 o crescimento foi maior – 14,88%. Em unidades, o desempenho dos genéricos melhorou em 12,19% entre 2015 e 2014. Foram comercializadas 978.333 milhões de unidades contra 872.044 milhões no mesmo período. Em volume, as vendas do ano de 2015 superaram os resultados alcançados entre 2014 em relação a 2013, porém ficaram menores do que a expansão registrada em 2013 em relação a 2012, que foi de 15,71%.

Para a presidente executiva da PróGenéricos, Telma Salles, o baixo desempenho da economia brasileira no ano passado foi determinante para um crescimento menor do que o esperado. “Entre os principais fatores que contribuíram para que esse resultado não fosse digno de se comemorar, estão os aumentos dos custos de produção, penalizados, sobretudo, com a alta do dólar e o aumento no custo da energia. Nesse contexto, podemos concluir que as margens das indústrias ficaram muito reduzidas, o que a médio e longo prazo pode produzir consequências nefastas ao setor, como redução de investimentos, por exemplo”. 

Oportunidade na crise 

Um desafio no caminho dos produtores de genéricos é aumentar o market share da categoria, que atingiu a fatia de 28,88% em unidades ao final de 2015. O percentual indica um avanço de menos de 2% na participação de mercado em volume. Para Telma, os números são preocupantes. Significa que menos pessoas têm conseguido comprar medicamentos no Brasil. “Quando a população não consegue se tratar adequadamente, o custo social aumenta. Doentes crônicos que não fazem uso correto do medicamento tendem a apresentar o quadro agravado e desenvolvem outras patologias. Essas pessoas vão recorrer a postos de saúde, ao Sistema Único de Saúde (SUS), e buscarão internações, aumentando o custo social”, afirma.

A princípio, parece um cenário assustador. “Em momento de crise, todo mundo é prejudicado, porque as pessoas passam a consumir menos. Não só a questão de preço, mas o ambiente em geral regula o comportamento do consumidor”, alerta o presidente executivo do Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos no Estado de São Paulo (Sindusfarma), Nelson Mussolini. 

“Nós vamos enfrentar uma fase difícil. Todo crescimento que a indústria farmacêutica experimentou nos últimos anos foi calcado na ampliação da classe média e no nível de emprego. Isso vem caindo de forma assustadora. Hoje já há uma redução dos participantes da classe média, que é a faixa da população que consome mais. Então, vamos observar todas as categorias sofrendo queda no faturamento”, continua Mussolini, fazendo uma importante ressalva: “É óbvio que medicamentos que têm mais concorrência, como os genéricos, são os últimos a sentir o impacto”. 

Opção econômica

A crise pode não ser de todo o mal para o setor de genéricos.  Em função do cenário econômico pouco favorável, com aumento das taxas de desemprego e inflação de dois dígitos, os genéricos tornam-se a alternativa mais viável para o bolso enxuto dos consumidores por conta do preço mais acessível. 

“Em tempos de instabilidade, os genéricos tendem a crescer acima do mercado farmacêutico total, em razão, principalmente, da migração de demanda dos medicamentos de referência para os medicamentos genéricos pelo mercado consumidor, que busca economizar. Como medicamento é um item que o consumidor não pode ficar sem consumir, ele opta por uma alternativa mais econômica, no caso os medicamentos genéricos”, aposta o farmacêutico do setor de lançamentos do Laboratório Teuto, Thiago Lobo Matos.  

Apesar de o Brasil estar muito distante de mercados como o dos Estados Unidos, por exemplo, onde o setor representa cerca de 80% do volume comercializado, alguns sinais demonstram que a categoria está no caminho certo em busca do aumento na participação de mercado. Segundo pesquisa do Datafolha, em 2012, o índice de confiança era de 70% e, em 2014, já havia passado para 73% – o que mostra um crescente ganho de credibilidade para os brasileiros.

Para Telma, o receio quanto à eficiência e qualidade dos genéricos é um obstáculo superado. “A desconfiança ocorreu em um primeiro momento, hoje, os consumidores entenderam que são produtos exatamente iguais; também passaram a reconhecer as empresas fabricantes, sabem que são sérias e renomadas. Se não houve um avanço em participação de mercado como gostaríamos, foi por conta de fatores econômicos”, ressalta.


Captura de Tela 2016 05 16 as 11.29.41

Esforços necessários

Para atingir metas previamente estabelecidas, apesar das adversidades econômicas, as indústrias farmacêuticas têm buscado garantir a eficiência operacional em toda a cadeia. No entanto, para o diretor de negócios da Medley, Carlos Aguiar, os percentuais de crescimento dos genéricos não irão melhorar apenas com um esforço isolado dos fabricantes. “Cabe ressaltar a necessidade de esforço conjugado da indústria, governo e varejo, a fim de preservar as condições necessárias que garantam competitividade, qualidade e sustentabilidade desse segmento”, pontua Aguiar. 

De acordo com o diretor-geral da Sandoz Brasil, André Brázay, trabalhar bem as questões regulatórias também é um passo importante para aumentar a participação de genéricos no mercado. “É preciso continuar trabalhando em melhorias para agilizar os trâmites de registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e fortalecer os controles e a supervisão da comercialização de produtos farmacêuticos, sempre visando à garantia da qualidade do medicamento oferecido ao paciente”.

A demanda por prazos de registro mais enxutos é antiga e já chegou até o Senado, com uma audiência pública para debater o Projeto de Lei do Senado (PLS) 727/2015, de autoria do senador José Serra (PSDB-SP), que altera os prazos de concessão de registro de medicamentos Anvisa e torna mais transparente a tramitação dos processos.

Atualmente, a regra em vigor, baseada na Lei 6.360/1976, concede o tempo máximo de 90 dias para a conclusão dos registros, mas, na prática, o prazo é desrespeitado com frequência. No entanto, a realidade cumprida pela Agência é bem diferente. Em média, são necessários 1062 dias para a aprovação de registro de um medicamento genérico. 

Acompanhando de perto o trabalho da Anvisa, o presidente executivo da Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma), Antônio Brito, garante que a entidade tem feito um grande esforço nos últimos dois anos para revisar os processos, reforçar a equipe e, com isso, reduzir os prazos para registro de produtos. “As estatísticas mostram que essa redução já começou a ocorrer. No entanto, o passivo era – e ainda é – tão grande que os prazos continuam sendo absolutamente insuportáveis.” 

Boas perspectivas 

Apesar de ainda enfrentar entraves no momento do registro de medicamentos, o ano promete ser abundante em lançamentos de genéricos. Um levantamento realizado pela PróGenéricos mostra que, em 2015, a Anvisa autorizou a cópia de 35 medicamentos de referência. “Claro que há muito a ser aprimorado, mas nos últimos dois anos, a Anvisa vem se mostrando bem competente no enfrentamento dos problemas. E a priorização foi para os genéricos inéditos. Tem sido feito um trabalho muito bom. Percebemos o esforço e a resposta tem sido satisfatória”, elogia Telma.

A expectativa é que as novas moléculas gerem um ganho de R$ 615 milhões por ano. E não deve parar por aí: estima-se que a lista de medicamentos inovadores que poderão ganhar cópias só tende a crescer. Até 2025, as novidades que irão surgir no mercado deverão ser capazes de gerar um faturamento extra de R$ 1,7 bilhão. 

Genéricos altamente rentáveis já começaram a surgir nas prateleiras. A Neo Química, divisão de genéricos da Hypermarcas, prepara ainda para este ano o lançamento de genéricos de três dos 35 medicamentos que perderam a patente recentemente: tadalafila, celecoxibe e cliridato de olopatadina. 

A EMS, que lidera o mercado de genéricos há três anos, também prepara lançamentos importantes para 2016, com aproximadamente dez moléculas já aprovadas pela Anvisa, sendo que, destas, sete são inéditas, ou seja, representam a primeira versão genérica do medicamento após a expiração da patente.

“Juntos, apenas esses lançamentos de novos genéricos, previstos para chegarem às farmácias nos próximos três meses, representam um mercado de no mínimo R$ 500 milhões em faturamento”, destaca o diretor comercial da unidade de Genéricos da EMS, Aramis Domont.

Reforçando o cenário de contradição, a Sandoz, divisão de genéricos da Novartis, sofreu as consequências do mau momento vivido pela economia brasileira, mas, ainda assim, a fábrica instalada em Cambé (PR) registrou recorde de produção, com 1,6 bilhão de comprimidos produzidos – aumento de 23% em relação ao ano anterior. “Foi maior que a projeção, alavancada por alguns lançamentos bem-sucedidos, recuperação de portfólio, mas, principalmente, por um cuidadoso e consistente trabalho de nossa equipe para entender e atender cada vez melhor as necessidades de nossos clientes e pacientes”, acredita Brázay, da Sandoz Brasil. 

Evolução no lançamento de Genéricos Inéditos

Ano

2010

2011

2012

2013

2014

2015

Número de 

genéricos inéditos 

33

21

28

25

23

35

Fonte: Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)


Autor:Flávia Corbó

Sites do Grupo

logo-contento
logo site

Contate-nos

1396561723 social facebook box blue   1396561730 social twitter box blue   1396561765 youtube

Guia da Farmácia: Revista dirigida aos profissionais de saúde
Rua Leonardo Nunes, 198
Vila Clementino – CEP 04039-010
São Paulo – SP


Telefone (11) 5082-2200
comunicacao@contento.com.br